Marina prega a paz durante caminhada e aglomera multidão


Em sua primeira agenda pública após o atentado contra o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), a candidata Marina Silva, da Rede, classificou o ataque ao candidato como inaceitável e pregou a paz. A ex-senadora, no entanto, questionou uma das principais bandeiras de Bolsonaro, a liberação do porte de armas. Segundo ela, o desfecho poderia ter sido pior, caso o autor do atentado estivesse com um revólver.


– Eu fico pensando se, que Deus o livre, aquela pessoa tivesse uma arma de fogo na mão, o que poderia ter acontecido? Temos que acreditar que quem nos defende da violência, do crime, é o amor, o respeito dentro do nosso coração, e não uma arma na mão – disse.

Segundo Marina, o atentado contra Bolsonaro é a materialização da polarização que ela critica desde sua primeira tentativa de chegar à Presidência, em 2010. A candidata lembrou que o ataque se insere em um contexto em que estão o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e os tiros disparados contra os ônibus na caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.


Na manhã deste sábado, Marina caminhou pela Rua 25 de Março, centro do comércio popular de São Paulo, e foi até o Mercado Municipal. A candidata pediu aos policiais federais um "cuidado maior" e que fosse feito um cordão de isolamento pelos agentes e militantes pelo qual quem a quisesse cumprimentar tinham que passar. A ambientalista não pediu, ainda, um reforço em sua segurança. Uma reunião ainda deverá tratar dessa questão.

Para a candidata, é impossível prever o efeito do atentado nas urnas. Segundo ela, o atual pleito é marcado pela imprevisibilidade e o eleitor é que pode mudar de opinião no momento que quiser. Após a caminhada, Marina disse que o que une os brasileiros é a paz.

Entre os auxiliares da campanha, a reação inicial ao atentado foi a de que Bolsonaro seria beneficiado, em um primeiro momento, por uma comoção popular. Os assessores, no entanto, não descartaram a possibilidade de que, passado esse momento, o eleitor procurasse uma opção de caráter menos beligerante e mais conciliador.

– É nesse momento que o bom senso tem que prevalecer: o mais importante é unir o nosso país para gerar emprego, educação de qualidade, saúde, proteção às famílias, aos jovens e as nossas crianças – disse Marina.

Candidata chegou de táxi, mas teve o caminho encurtado e foi embora em um carro particular por motivos de segurança. Segundo organizadores da campanha, Marina queria ter ficado mais tempo, mas o número de populares que a seguiam ultrapassou o esperado.

Mais lidas da semana 🔥

Freddie Mercury aparece com último namorado em fotos raras

Emmanuel Macron está de olho em Marina Silva pela 2ª vez

Brian May diz que Freddie Mercury perdeu parte do pé

Os dez figurinos mais caros da história do cinema

Homem atira na ex-mulher e contra si dentro de ônibus em Lages

Ela se vestiu de homem para viajar livremente no século 19

Após pressão de Marina, Bolsonaro volta atrás e diz que não acabará com Ministério do Meio Ambiente

Filho agressor fazia empréstimos em nome da mãe aposentada

Mulher "viciada" em silicone e bronzeamento artificial fica irreconhecível

Uma noite de 'MasterChef' com JB, o crítico mais crítico da gastronomia