Eleitor que fizer enquete em redes sociais pode ser multado em até R$ 329 mil


O eleitor que fizer uma enquete nas redes sociais perguntando em quem seus amigos pretendem votar pode ser multado em até R$ 329 mil. A punição está prevista no artigo 23 da Resolução 23549/2017 do TSE. O texto prevê que ''é vedada, no período de campanha eleitoral, a realização de enquetes relacionadas ao processo eleitoral''.


O TSE confirmou ao Cultura, por telefone, que a proibição é nacional e vale também para pessoas físicas.

De acordo com o TSE, porém, para que seja aplicada a cobrança, é preciso investigação por parte do Ministério Público Eleitoral e condenação por descumprimento da legislação.

Mariana Rabelo, chefe da seção de propaganda e anotações partidárias do TRE-MG, explica que a investigação pode acontecer tanto a partir de uma representação para o MPE, que é quando alguma pessoa ou entidade pede para que o órgão abra um inquérito, quanto por fiscalização própria do MPE.

Rabelo afirma, ainda, que ''casos práticos'' de pessoas condenadas em outras eleições por causa da criação de enquetes já ocorreram. ''Um candidato ou um partido político que se sinta prejudicado pelo resultado da enquete, por exemplo, pode entrar com uma representação contra a pessoa'', ressalta.

Repercussão nas redes

A regra veio à tona nesta semana por causa de tuíte do TRE de Tocantins, no qual informava que ''as enquetes nas redes sociais estão proibidas não só para candidatos e partidos, mas também para qualquer cidadão''.

Mais lidas da semana 🔥

Marina prega a paz durante caminhada e aglomera multidão

Comunidade LGBT fará reunião para debater se apoia Marina ou Ciro

'Três Espiãs Demais' entra para o catálogo da Netflix

Aretha Franklin, ''rainha do soul'', morre aos 76 anos

Marina Silva é a pré-candidata política mais atacada por Fake News no Brasil

Biólogo Richard Rasmussen é acusado de pagar para matarem botos em reportagem

4 livros para tratar temas difíceis com seus filhos

Maioria entre indecisos, mulheres devem definir eleição presidencial

Julgamento das Bruxas de Salem: 7 fatos para entender o acontecimento