Julgamento das Bruxas de Salem: 7 fatos para entender o acontecimento


O dia 19 de agosto de 1692 foi um dos ápices do famoso julgamento das Bruxas de Salem, o caso mais conhecido de caça às bruxas, que ocorreu naquele ano em uma pequena cidade de Massachusetts, nos Estados Unidos. Cerca de 200 pessoas foram presas ou acusadas de bruxaria e 20 condenadas à morte – cinco delas executadas neste dia. Entenda o caso:


1. Tudo começou em fevereiro, quando a filha de nove anos do Reverendo de Salem, Samuel Parris, uma colônia britânica puritana em que a Igreja comandava tudo, ficou doente. Mas ela apresentava sintomas esquisitos: contorcia-se de dor, gritava e alegava estar sendo picada por insetos. O mesmo ocorreu com a sobrinha de Parris, com 11 anos, e outra garota também de 11 anos.

2. Pressionadas por líderes religiosos locais, que atribuíam tudo a obras do diabo, as meninas culparam três mulheres pela doença: Tituba Indian, uma escrava; Sarah Good, uma mendiga; e Sarah Osborne, uma idosa pobre.


3. Em março, deu-se início ao julgamento das três. Tituba confessou que recebeu uma visita do diabo e que havia se tornado sua serva, provavelmente por acreditar que isso a livraria da forca. Também acusou outras mulheres que estariam tramando contra os puritanos. Ela e as outras (que haviam declarado ser inocentes) foram presas.


4. Isso foi o suficiente para gerar paranoia. Mais acusações começaram a surgir e até uma garota de quatro anos foi presa por alguns meses em meio aos julgamentos. Nem um ministro da igreja se salvou e foi enforcado, considerado o líder das bruxas e acusado de enfeitiçar soldados em uma campanha contra os índios que foi um verdadeiro fracasso.

5. A caça só terminou quando o governador William Phipps atendeu a um pedido do então presidente da Universidade Harvard, que denunciou o uso de evidências especulativas – testemunhos sobre sonhos e visões. ''É melhor que dez bruxas suspeitas escapem do que uma pessoa inocente seja condenada'', escreveu. Pressionado por isso, e pelo fato de a própria esposa estar sendo acusada de bruxaria, decretou o fim do julgamento em 29 de outubro.


6. Após o ocorrido, diversos dos envolvidos reconheceram o erro e admitiram a culpa publicamente. Em 1702, os julgamentos foram considerados ilegais, e nove anos depois a colônia determinou que os nomes dos condenados fossem ''limpos'', além de uma recompensa financeira para os herdeiros. Em 1957, o estado de Massachusetts formalmente pediu desculpas pelo ocorrido.

7. Atualmente, o caso é considerado um exemplo de histeria ou paranoia coletiva. Há também teses, como uma publicada pela psicóloga Linnda Caporael, que atribuem os sintomas esquisitos das crianças a um tipo de fungo que pode ser encontrado no pão e que provoca espasmos musculares, vômitos e alucinações.


Autor/Editor-chefe: Leandro Antunes

Mais lidas da semana 🔥

Mãe faz alerta após filha ter infecção causada por urina de cachorro na praia

Animação usa técnica única para contar a história de Van Gogh

Freddie Mercury aparece com último namorado em fotos raras

Bronquiolite: 10 perguntas e respostas sobre a doença

Emmanuel Macron está de olho em Marina Silva pela 2ª vez

Crianças autistas têm melhora após transplante de medula óssea

Os dez figurinos mais caros da história do cinema

Leandro Hassum faz montagem com pai morto – com quem não tem foto

12 séries que são verdadeiras joias escondidas na Netflix

Mulher "viciada" em silicone e bronzeamento artificial fica irreconhecível