Eliana faz cerclagem uterina: entenda o que é o procedimento

Desde que anunciou que está grávida do segundo filho, Eliana Michaelichen Bezerra, 43 anos, tem chamado cada vez mais a atenção dos fãs. Em maio, ela revelou que teve descolamento de placenta e, por causa das complicações, foi orientada a fazer repouso absoluto.


No último domingo, 6, a artista apareceu no programa em que apresenta no SBT, mas dessa vez sendo entrevistada por Chris Flores. No bate-papo, ela contou detalhes do seu caso e mencionou que teve que fazer uma cerclagem uterina com 11 semanas de gestação.

Segundo a apresentadora, ela tomou dois tipos de anestesia – a geral e a raqui – para realizar o procedimento que durou cerca de 4 horas. Ela ainda afirmou que foi submetida a uma moderna cirurgia robótica.

Mas o que é cerclagem uterina?

O termo usado por Eliana gerou dúvidas, já que nem sempre as pessoas sabem que essa operação previne partos prematuros. ''Geralmente quem precisa fazer o procedimento são mulheres que têm uma condição chamada insuficiência istmo cervical (identificada no ultrassom transvaginal e exame de toque), que é quando o colo do útero é mais curto do que o habitual e vai afinando com uma facilidade maior, podendo chegar a não aguentar o peso da criança'', explica o ginecologista Rodrigo da Rosa Filho, membro da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia do Estado de São Paulo (SOGE-SP) e sócio fundador da clínica de reprodução humana Mater Prime, de São Paulo.


Na técnica realizada dentro do centro cirúrgico, normalmente é feita a anestesia raquidiana – responsável pela perda de sensibilidade na parte inferior do corpo. ''A recuperação tende a ser rápida, mas até o final da gestação é indicado que a mãe faça repouso absoluto porque, embora tenha efetuado o procedimento, existe o risco de o útero abrir. Então ela não deve permanecer deitada e não ficar tanto tempo em pé'', orienta o médico.

Para a questão ficar mais clara, basta imaginar uma bexiga: quando começamos a enchê-la com ar, o bico vai ficando cada vez mais fino. Só que, às vezes, esse bico pode ser menor do que o usual e a chance do balão estourar é maior – exatamente o que acontece com quem tem a insuficiência istmo cervical. No caso, podemos comparar aquele nó que é dado para fechar a bexiga com os pontos que as mulheres recebem ao fazer a cerclagem uterina.

Quando ela deve ser feita?

A apresentadora disse que passou pelo procedimento com 11 semanas de gestação, mas Rodrigo comenta que normalmente ele é feito entre a 13ª a 16ª semana – quando o risco de acontecer um aborto espontâneo diminui.

Como é realizada a cirurgia?

Ela é feita via vaginal – o médico introduz um espéculo e opera o colo do útero. No caso da Eliana, a operação foi mais tecnológica: o especialista conduziu o procedimento com o auxílio de robôs. ''Nessa circunstância, o acesso é feito com três furos no abdome, onde os aparelhos são colocados. Mas vale lembrar que esse tipo de cirurgia é extremamente avançada e ainda não está disponível para a maioria da população brasileira'', adverte o ginecologista da clínica Mater Prime.

Existem riscos?

As grávidas ficam apreensivas quando são orientadas a fazer qualquer tipo de cirurgia, mas geralmente essa traz mais benefícios do que danos. ''Tem chance de romper a bolsa, mas ela é baixa. Por isso mesmo a operação deve ser feita o quanto antes. É importante conversar com o médico para que ele avalie a situação da paciente'', reforça o especialista da SOGE-SP.

Mais lidas da semana 🔥

'Adoraria ouvir conselhos dela', diz Príncipe William sobre a mãe

Irmão de Suzane von Richthofen vivia longe dos holofotes e cogitou deixar o país

Príncipe Harry revela que fez terapia para superar morte da mãe

12 séries que são verdadeiras joias escondidas na Netflix

Mulher mais obesa do mundo perde 250 kg após cirurgia

Biólogo Richard Rasmussen é acusado de pagar para matarem botos em reportagem

Maju Coutinho é a nova apresentadora do Jornal Hoje

'Três Espiãs Demais' entra para o catálogo da Netflix

Filho agressor fazia empréstimos em nome da mãe aposentada