Hospital realiza último desejo de paciente: cigarro e taça de vinho


O Hospital Universitário de Aarhus, na Dinamarca, quebrou as próprias regras para realizar o último desejo de Carsten Flemming Hansen, de 75 anos, um paciente em situação terminal: internado após sofrer um aneurisma da aorta abdominal, o dinamarquês fez um pedido simples: um cigarro e uma taça de vinho.

Embora as regras proíbam o fumo dentro do hospital, a equipe médica e a família dele concluíram que, àquela altura, o último desejo dele era mais importante que qualquer tratamento – pois a doença já estava em estado irreversível.

Assim, com aval da família, que já sabia que ele morreria dentro de dias (talvez horas), a cama do idoso foi levada para uma varanda, onde ele pôde fumar seu último cigarro, tomar sua última taça de vinho e observar o por do sol.


Ao jornal Avisen.dk, a enfermeira Rikke Kvist contou que Hansen estava acompanhado pela equipe médica e familiares. "Estava uma atmosfera muito acolhedora e relaxante", relembra ela. "Claro que os familiares estavam afetados pelo fato de que ele estava morrendo, e estavam tristes. Mas havia acolhimento e humor".

A realização dessa última vontade foi registrada em uma foto, foi publicada na última sexta-feira (7) pela página do hospital e gerou comoção entre internautas. "Minhas condolências à família, mas que lindo final. Descanse em paz", disse um. "Um final digno, focado no paciente e no desejo dele", acrescentou outro.

Mais lidas da semana 🔥

Irmão de Suzane von Richthofen vivia longe dos holofotes e cogitou deixar o país

'Três Espiãs Demais' entra para o catálogo da Netflix

Freddie Mercury aparece com último namorado em fotos raras

O ''jogo da baleia azul'' e a tragédia de Maria de Fátima

12 séries que são verdadeiras joias escondidas na Netflix

Mulher mais obesa do mundo perde 250 kg após cirurgia

Noiva com alopecia emociona convidados com sua confiança

Mulher morre após carro explodir em posto de gasolina no Rio

Eliana faz cerclagem uterina: entenda o que é o procedimento

Escolas iniciam 'caça à baleia azul'; fique atento aos sinais