Retirar camisinha sem permissão gera debate sobre crime sexual

Você pode ainda não ter ouvido falar em ''stealthing'', mas, talvez, já tenha sido vítima. Considerada agressão sexual, o termo dá nome à prática de retirada da camisinha durante o sexo sem o consentimento do parceiro.


Embora o nome seja uma novidade, um artigo escrito pela advogada americana Alexandra Brodsky, publicado no mês passado no periódico científico Columbia Journal of Gender and Law, aponta que a prática é comum entre jovens sexualmente ativos e ainda é pouco discutida.

O trabalho de Alexandra baseia-se em relatos de vítimas do abuso. Ele chama a atenção para o fato de que, apesar dos depoimentos que descrevem a prática como uma violação humilhante do acordo sexual, muitas vítimas não viam a remoção da camisinha como agressão sexual. ''Após a prática, elas afirmam que sentiram medo de engravidar e de contrair alguma doença, além da impotência diante do desrespeito'', disse Alexandra no artigo.

Ela conta ainda que, na internet, existem fóruns frequentados por defensores da prática. ''Não apenas interessados em aumentar a sensação física de prazer, eles justificam suas atitudes como um direito natural masculino de 'espalharem sua semente''', relata.

Apesar disso, nenhuma das vítimas entrevistadas considerou levar o caso à Justiça. Também não há registros de queixas semelhantes nos tribunais dos Estados Unidos. Apesar disso, todas sofreram abalos emocionais, financeiros e psicológicos depois dos casos. Por essas razões, a advogada acredita que a lei deve proporcionar formas de compensar essas vítimas, ou, pelo menos, de oferecer a oportunidade de terem suas queixas validadas.

Responsabilidade legal

Segundo a revista Cultura Coletiva, o único caso conhecido de condenação por stealthing aconteceu em janeiro, na Suíça. Durante a relação sexual, uma mulher reparou que o parceiro havia removido o preservativo sem avisá-la – e muito menos sem que ela consentisse. A vítima denunciou o homem e ele foi condenado por estupro. Foi a primeira vez em que um caso assim foi julgado como tal.


No Brasil

A lei brasileira, porém, não permite que a prática seja considerada estupro. O código penal define, no artigo 213, estupro como ''constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso''.

''Não existe essa previsão de 'furtividade' na nossa lei'', explicou o defensor público Saulo Brum Leal Júnior, da Assessoria Institucional da Defensoria Pública do Rio Grande do Sul, à BBC. ''Para que um crime seja enquadrado como estupro, é preciso que o ato sexual tenha ocorrido mediante grave ameaça ou violência''.

Entretanto, existem alternativas legais às pessoas vítimas dessa situação. Os artigos 130 (perigo de contato venéreo), 131 (perigo de contágio de moléstia grave) e 215 (violência sexual mediante fraude) do Código Penal brasileiro poderiam ser aplicados, uma vez que o sexo aconteceu de forma desprotegida e não consensual.

Os especialistas dizem também ser possível entrar com uma ação cível contra o acusado. ''Seria uma ação reparatória pelo dano causado, como, por exemplo, uma gravidez indesejada'', assinala Leal Júnior, da Defensoria Pública do Rio Grande do Sul.

Mais lidas da semana 🔥

Homem que agrediu a própria mãe idosa é preso após repercussão de vídeos

Dono de bicicleta condena tatuagem em testa de adolescente: 'Não consegui dormir'

Escapei de um marido violento, mas vi minha filha morrer nas mãos do goleiro Bruno

Netflix vai tirar do catálogo séries famosas da TV; veja quais

Internada aos 5 meses de gravidez, Eliana tem avaliação diária

Sequestrado em maternidade, Pedrinho é advogado de Aécio Neves

'13 Reasons Why': 2ª temporada vai mostrar outros pontos de vista

O ''jogo da baleia azul'' e a tragédia de Maria de Fátima

Roger Moore, ator de '007', morre aos 89 anos

Vacina contra a gripe é liberada para toda a população