Renúncia de Temer 'pouparia país de mais sofrimento', diz Janaína Paschoal

A jurista Janaína Paschoal, uma das autoras da ação que culminou no impeachment da presidente Dilma Rousseff, diz que renúncia de Michel Temer seria o melhor para o Brasil.


''Preferiria que ele renunciasse, para poupar o país de mais sofrimento'', disse Paschoal em entrevista à BBC Brasil. Ela também afirmou que fará o possível para que isso ocorra.

''Quem tiver que cair, vamos até o fim nesse processo de depuração''.

Em pronunciamento no último sábado (20), o presidente disse que continuará à frente do governo.

Na quinta-feira, 18 de maio, o jornal O Globo revelou a delação de Joesley Batista, um dos donos da JBS S.A., que disse que Temer deu aval a uma operação de compra de silêncio do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha. Desde então, o áudio da conversa entre os dois foi divulgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), bem como o conteúdo das delações de Joesley e de seu irmão Wesley Batista.


No diálogo, o dono da JBS fala de forma cifrada de sua relação com ''Eduardo'', que seria o ex-deputado Cunha. O empresário diz que ''está de bem com Eduardo'' e Temer responde ''tem que manter isso, viu?''.


Para Janaína, os áudios da delação da JBS revelados até agora já são suficientes para o impeachment de Temer. ''O que foi divulgado me parece suficiente para evidenciar a quebra de decoro. Votei pelo impeachment em consulta feita pela OAB-SP (Ordem dos Advogados do Brasil)''.

Mas, ao contrário do desejo de muitos brasileiros e movimentos sociais, Janaína não concorda com a pedido de eleições diretas.

''Temos que seguir a Constituição Federal e ela prevê eleição indireta para completar o mandato. Esse pleito (de diretas) é uma estratégia para tentar emplacar o Lula antes das condenações'', disse.


A jurista ressaltou que é completamente contrária a qualquer emenda constitucional para tirar o presidente neste momento.

''Tem o caminho do processo por crime comum, perante o STF, e do crime de responsabilidade, perante o Congresso''.

Após a delação ser divulgada pelo jornal, o ministro Luiz Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo, atendeu a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) e autorizou a abertura de um inquérito para investigar Temer. Com isso, o presidente passou à condição de investigado na operação.


Mais lidas da semana 🔥

Ela se vestiu de homem para viajar livremente no século 19

12 séries que são verdadeiras joias escondidas na Netflix

Bronquiolite: 10 perguntas e respostas sobre a doença

Uma noite de 'MasterChef' com JB, o crítico mais crítico da gastronomia

Sisu abre inscrições para o 2º semestre

Filme ''Anastasia'' se torna musical na Broadway

Mãe faz alerta após filha ter infecção causada por urina de cachorro na praia

Dono de bicicleta condena tatuagem em testa de adolescente: 'Não consegui dormir'

Taiwan aprova emenda que proíbe consumo de carne de cães e gatos

25 fatos curiosos sobre Psicologia