MBL desiste de pedir renúncia, e Vem Pra Rua adia protesto

O MBL (Movimento Brasil Livre), que até ontem pedia a renúncia do presidente Michel Temer (PMDB), desistiu de pedir a saída do presidente do cargo. Mudança ocorre após divulgação do conteúdo dos áudios feitos por Joesley Batista, dono da JBS S.A., que gravou uma conversa com Temer na qual ele teria dado o aval para a compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. Temer nega ter consentido com essa situação.


Ontem à noite, o MBL publicou um post em página oficial do Facebook protestando contra a corrupção. ''Queremos que todos os políticos corruptos sejam punidos. Não importa o partido. Não estamos a serviço de um projeto de poder, estamos a serviço do futuro do país''. A frase era acompanhada de uma montagem com imagens de Lula, Dilma, Temer e Aécio.

Já nesta sexta-feira, entretanto, o movimento definiu como sensacionalista a matéria que revelou a gravação do empresário da JBS. ''Ainda há de se investigar mais a fundo algumas partes, mas não era tudo que foi alardeado. O Brasil perdeu muito com essa brincadeira – menos Joesley, que saiu lucrando''.

O Vem Pra Rua adiou a manifestação prevista para o próximo domingo, dia 21. Segundo o coordenador do movimento, Rogério Chequer, o mote 'prendam todos os corruptos' continua. ''Conversamos com a polícia ontem e eles disseram que não poderiam oferecer o mesmo nível de segurança que tivemos em outros atos por conta da Virada Cultural''.

Em comunicado, o movimento reafirmou que a decisão não significa um recuo e que ainda não houve definição de nova data para o ato. ''[Temer] tem que renunciar e o Aécio tem que ser totalmente investigado pelo o que ele fez. A justiça tem que acelerar todos esses casos, de Lula, Dilma, Temer e Aécio. São todas pessoas que estão no comando do país e têm que ser investigadas e punidas'', continuou Chequer.


A coordenadora do movimento Nas Ruas, Carla Zambelli, publicou na noite da última quinta-feira um vídeo nas redes sociais em que diz que é hora de ''assentar a poeira, colocar o pé no chão e ver o que está acontecendo''. O movimento havia decidido esperar a liberação dos áudios para se posicionar e não fez convocação para manifestações.

Carla ainda ressalta que os áudios não foram conclusivos para fazer a ligação entre Temer e o deputado Rodrigo Rocha Loures, que teria recebido dinheiro para o presidente.

Outro movimento, o Movimento Liberal Acorda Brasil (MLAB), defendeu em sua página no Facebook uma ''faxina geral na política''. Apesar de não convocar para atos, o MLAB comentou os áudios. ''Vai ficar chato se continuarem a dizer que a gravação não é nada demais. É tão difícil assim entender que ela é só um pequeno extrato de muito mais?''.


Mais lidas da semana 🔥

Roger Moore, ator de '007', morre aos 89 anos

'13 Reasons Why': 2ª temporada vai mostrar outros pontos de vista

Crianças autistas têm melhora após transplante de medula óssea

Pippa Middleton se casa e sobrinhos participam de cerimônia

Bronquiolite: 10 perguntas e respostas sobre a doença

Homem que agrediu a própria mãe idosa é preso após repercussão de vídeos

5 coisas que as mães de autistas gostariam que você soubesse

Coreia do Norte exibe mísseis e aumenta rumor de ataque nuclear

Amy Winehouse será relembrada com duas novas exposições

Dono de bicicleta condena tatuagem em testa de adolescente: 'Não consegui dormir'