Carne de laboratório feita sem animais já existe, mas é boa?

Startups correm para desenvolver produtos que possam substituir a carne tradicional tanto para abocanhar o bilionário mercado de proteína animal, quanto para reduzir o sofrimento dos animais e até o impacto da pecuário no meio ambiente. Mas elas têm futuro? As carnes que já existem hoje têm gosto de carne?


Quem já provou, nos EUA, diz que sim. O desenvolvedor de negócios Joe Paluska, 47, experimentou um hambúrguer feito 100% de plantas no começo deste ano no restaurante Cockscomb, localizado em São Francisco, na Califórnia.

''Parece carne, não um hambúrguer vegetariano. Eu e minha mulher, que é vegetariana, experimentamos. É difícil descrever por meio de mensagem, mas o produto tem cheiro e textura de carne. Você inclusive precisa de um guardanapo para comer porque é bem suculento'', comenta.

A Cockscomb não é a única, a Memphis Meats, também localizada em São Francisco, é uma de suas concorrentes. No começo do ano, a empresa anunciou ter criado as primeiras tiras de frango e pato de laboratório. Em 2016, a startup também já havia feito bolas de carne sem qualquer tipo de animal.

Ainda no mercado, conhecido clean meat (carne limpa, em alusão à energia limpa), estão empresas como Beyound Meat, Clara Foods e SuperMeat – todas nos Estados Unidos – e a Mosa Meat, localizada em Amsterdã, na Holanda. Nestas empresas, a carne é feita a partir de uma célula-tronco retirada de algum animal por meio de um processo semelhante à doação de medula óssea. O bicho não precisa sofrer.

''Com uma célula é possível produzir carne para o resto da vida'', diz Homero Dewes, PhD em análise de proteínas pelo Instituto Max-Planck de Bioquímica de Mastinsried-Munique, na Alemanha. Depois de retirada, a célula passa por um processo de suplementação em que são colocados diversos nutrientes.

Não é bem vista por vegetarianos e defensores dos animais

Mas é exatamente por ainda precisar do animal que a carne não é bem vista tanto por vegetariano e veganos, quanto por protetores dos animais – apesar de algumas empresas usarem esse discurso.

As células, chamadas de Fetal Bovine Serum (Soro Fetal Bovino), são retiradas do feto das vacas prenhas. ''Esse fluído é uma fonte riquíssima de nutrientes e estímulos necessários para o crescimento da célula in vitro (processo biológico feito fora de sistemas vivos). Ele substitui uma mistura cara e imensa de ingredientes, como hormônios, sinalizadores celulares, fatores de crescimento e outros'', diz Dewes.

A Memphis, diz o cofundador e executivo-chefe, Uma Valeti, não utiliza o líquido do bezerro em seus procedimentos, mas não deu detalhes sobre como o procedimento funciona, alegando que isso é uma questão comercial. Não há uma fiscalização da carne para que seja comprovado como ela é feita.

Esta é outra questão que as empresas terão que lidar – a regulação de seus produtos. Nos Estados Unidos, é o United States Departament of Agriculture (USDA, sigla em inglês) que regula a comercialização de frango, carne e ovos, e o Food and Drug Administration (FDA, em inglês) que lida com produtos biológicos, a exemplo de tecidos humanos, células e terapia genética. A carne feita em laboratório, no entanto, é um produto ''hibrido''.

100% planta

Já a Impossible Foods, que fornece hambúrguer para o restaurante do começo da matéria, tem uma proposta diferente das outras empresas – eles querem chegar o mais próximo possível do sabor da carne tradicional utilizando apenas plantas. ''Nós não fazemos carne de laboratório. Nossos cientistas fazem pesquisa avançada para desenvolver hambúrgueres feitos 100% de vegetais, mas com o mesmo gosto da carne'', diz a chefe de comunicação da companhia, Rachel Konrad.

O grupo divulgou na semana passada o aumento da produção de seu produto, que custa, em média, US$ 17 (R$ 52). A meta é fazer 435 mil quilos dele por mês e aumentar para 1 mil o número de pontos de venda nos EUA até o final deste ano – atualmente existem apenas oito.

Desde 2011, a Impossible recebeu mais de US$ 180 milhões (cerca de R$ 563 milhões) de investimentos do filantropo Bill Gates e da Google Ventures – braço financeiro do Google para investir em startups –, de acordo com o CrunchBase, banco de dados que mostra os históricos de investimentos em startups.

''Você pode pensar nisso como o nascimento de uma nova indústria que vai transformar o sistema de comida de hoje em dia'', disse o fundador Patrick Brown, que é ex-professor da Universidade Stanford, durante uma coletiva de imprensa realizada em 2011 em sua fábrica, em Oakland, Califórnia.

O mercado de proteína animal movimenta só nos EUA US$ 200 bilhões (cerca de R$ 626 bilhões) por ano. Além disso, a pecuária é responsável por 14,5% da emissão de gases do efeito estufa, segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).


Preço ainda é alto

Para fazer clean meat, por exemplo, a Memphis gastou US$ 9 mil (cerca de R$ 28 mil). A mesma quantidade de frango, para efeito de comparação, custa apenas US$ 3,22 (cerca de R$ 10) nos EUA.

E o preço, apesar de parecer caro, já é um avanço. Isso porque o primeiro hambúrguer artificial, feito em 2003 pelo pesquisador Mark Post, da Universidade de Maastricht, em Amsterdã, na Holanda, custou US$ 300 mil (cerca de R$ 939 mil).

''Entretanto, espalhando os custos em bilhões de hambúrgueres, bem como incorporando técnicas de produção em massa, é possível reduzir o custo'', explica Shaked Regev, fundador e diretor executivo da The Modern Agriculture Foundation – organização sem fins lucrativos que faz estudos sobre alternativas para a indústria global de comida.

Mais lidas da semana 🔥

Sisu abre inscrições para o 2º semestre

Conheça o criador do jogo Baleia Azul

'A Cabana' é acusado de heresia por parte dos evangélicos

Emmanuel Macron é eleito presidente da França

Pai mata filha de 11 meses e comete suicídio ao vivo no Facebook

Ela se vestiu de homem para viajar livremente no século 19

Homem que agrediu a própria mãe idosa é preso após repercussão de vídeos

12 séries que são verdadeiras joias escondidas na Netflix

Bronquiolite: 10 perguntas e respostas sobre a doença

Gripe: vacina, sintomas e tratamento