Quão poderosa é a 'mãe de todas as bombas' que os EUA lançaram contra o Estado Islâmico?

Seu nome oficial é GBU-43/B Massive Ordnance Air Blast, mas é mais fácil se lembrar da sigla em inglês, MOAB, que também inspira seu apelido famoso: "Mother of all Bombs", ou seja, "a mãe de todas as bombas".


Ela faz parte do arsenal dos Estados Unidos e seu poder explosivo só perde para uma bomba nuclear, como as usadas no Japão durante a Segunda Guerra Mundial.

Nesta quinta-feira, uma MOAB foi lançada pelos militares dos EUA em uma operação de combate ao grupo autodenominado Estado islâmico (EI) no Afeganistão, informou o secretário de imprensa da Casa Branca, Sean Spicer.

O ataque ocorreu às 19h32 (horário local) – o alvo era um "sistema de túneis e cavernas" que os EUA dizem ser usados pelos extremistas em Nangarhar, no leste do Afeganistão.

"Os Estados Unidos estão numa séria luta contra o Estado Islâmico. Para derrotar o grupo, devemos negar-lhes espaço operacional – foi o que fizemos", disse Spicer diante de jornalistas na Casa Branca.

Poderosa

A MOAB é uma bomba de 9,8 toneladas, o que é equivalente à potência de 11 toneladas de TNT e a torna a arma mais poderosa depois das bombas de reação nuclear.

No entanto, está muito longe de causar o tipo de destruição provocado por bombas atômicas como a que os Estados Unidos jogaram na cidade japonesa de Hiroshima em 1945.

Ela foi testada pela primeira vez em 2003, na Flórida, enquanto os EUA realizavam operações no Iraque e no Afeganistão em decorrência dos ataques de 11 de setembro de 2001.

Até então, ela nunca tinha sido usada em combate, explica o repórter correspondente, Jonathan Marcus.

"É uma arma enorme, guiada por GPS. O seu efeito principal é uma enorme explosão numa área imensa", diz.

A bomba tem um comprimento de nove metros e geralmente é carregada por um avião Hércules MC-130, que a libera com a ajuda de um paraquedas. O GPS serve de guia até o alvo.

A arma foi desenvolvida por Albert L. Weimorts Jr., do Laboratório de Pesquisa da Força Aérea dos EUA, e é "uma versão maior das armas usadas durante a Guerra do Vietnã", afirma Marcus.

A munição adequada

"Estamos muito orgulhosos dos nossos militares. Foi um evento de sucesso", disse, em um breve comunicado, o presidente dos EUA, Donald J. Trump.


Nas primeiras horas após o lançamento da MOAB no leste do Afeganistão, ainda não se sabia se ela tinha causado mortes ou qual era o nível de destruição no terreno.

"As forças americanas tomaram todas as precauções para evitar baixas civis com este ataque", informou um comunicado do Comando de Operações dos EUA no Afeganistão.

O ataque foi realizado na mesma região onde um soldado americano morreu na semana passada.

O general John Nicholson, comandante das forças americanas no país, disse que as baixas do Estado Islâmico têm aumentado, levando os jihadistas a aumentarem o uso de explosivos caseiros, bunkers e túneis.

"Esta é a munição adequada para reduzir esses obstáculos e manter a dinâmica da nossa ofensiva", concluiu Nicholson.


Mais lidas da semana 🔥

Homem que agrediu a própria mãe idosa é preso após repercussão de vídeos

Dono de bicicleta condena tatuagem em testa de adolescente: 'Não consegui dormir'

Escapei de um marido violento, mas vi minha filha morrer nas mãos do goleiro Bruno

Netflix vai tirar do catálogo séries famosas da TV; veja quais

Internada aos 5 meses de gravidez, Eliana tem avaliação diária

Sequestrado em maternidade, Pedrinho é advogado de Aécio Neves

'13 Reasons Why': 2ª temporada vai mostrar outros pontos de vista

O ''jogo da baleia azul'' e a tragédia de Maria de Fátima

Roger Moore, ator de '007', morre aos 89 anos

Vacina contra a gripe é liberada para toda a população