Este menino teve a vida salva após fazer um desenho sobre sua dor

A história do pequeno Emre Erulkeroglu, de apenas 7 anos de idade, começa com uma dor de cabeça. O quadro foi registrado pela primeira vez no Dia das Mães de 2015. Ele acordou a mãe, Tiffani Erulkeroglu, e reclamou de uma forte enxaqueca: ''Em poucos minutos, estava deitado no sofá num estado sonolento, mas gritava de dor e vomitava'', contou a mulher ao The Daily Mirror.


A família levou o pequeno até um pronto atendimento, mas, ao chegar ao hospital, a dor já havia desaparecido. Os médicos pediram para que eles voltassem para casa, alegando que ''era apenas uma enxaqueca'', contou a mãe. As dores de cabeça de Emre não cessaram, mesmo semanas depois. Preocupada, Tiffani pesquisou na internet e encontrou uma campanha que mencionava sintomas de tumores infantis: ''Ele tinha todos os sinais vermelhos, então eu resolvi levá-lo ao médico em diversas ocasiões''.

O garotinho passou por um exame neurológico e profissionais afirmaram que estava tudo bem com sua saúde. ''Inclusive, um médico me pediu para que parasse de perguntar sobre as dores de cabeça, já que eu poderia estar incentivando o meu filho a achar que estava com dores. Então, relaxei, acreditando que poderia piorar a situação e que, de fato, poderiam ser apenas enxaquecas'', desabafou a mãe.

No entanto, algumas semanas após o diagnóstico, Emre fez um desenho que salvaria a sua vida: no autorretrato, estava um grande ponto negro na sua testa, descrito como a marca da ''dor de cabeça que nunca foi embora''. Ao ver a ilustração, a mulher pediu uma reavaliação e ele foi colocado numa lista de espera para uma ressonância magnética, já que, até então, os médicos não consideravam o caso da criança grave. ''Durante a espera, foi ficando mais difícil lidar com o Emre. Ele tinha surtos de raiva que duravam por horas, sem motivo. Eu precisei ir até o departamento responsável pelo exame por semanas até conseguir um encaixe'', descreveu.

Após a ressonância, os médicos afirmaram que o menino tinha um cisto benigno na sua glândula pineal, mas que esta não era a origem de seus problemas. A saúde da criança, no entanto, piorou após o diagnóstico: sentia sonolência, vomitava regularmente e tinha severas dores de cabeça. Após outros testes, receberam a notícia de que ele tinha um tumor inoperável.


Desde então, Emre já passou por uma punção lombar e uma ventriculostomia endoscópica. ''Foram meses de pedidos até um diagnóstico, mas agora ele está aqui, estável e seguindo com a vida''. Tiffani espera que, com essa história, ao menos, outros pais conheçam os sintomas e acreditem na palavra dos pequenos.

Mais lidas da semana 🔥

Homem que agrediu a própria mãe idosa é preso após repercussão de vídeos

Dono de bicicleta condena tatuagem em testa de adolescente: 'Não consegui dormir'

Coreia do Norte exibe mísseis e aumenta rumor de ataque nuclear

Escapei de um marido violento, mas vi minha filha morrer nas mãos do goleiro Bruno

Roger Moore, ator de '007', morre aos 89 anos

'13 Reasons Why': 2ª temporada vai mostrar outros pontos de vista

Fátima Bernardes quebra silêncio sobre o contrato com a Friboi

Ministério da Saúde não recomenda polvos de crochê para bebês

''Eu sou a pedra no sapato do Bruno'', diz mãe de Eliza Samúdio

O ''jogo da baleia azul'' e a tragédia de Maria de Fátima