Menino de 10 anos foi sequestrado e morto por treinador que o tratava como filho

O desfecho das investigações sobre a morte de um garoto de 10 anos chocou o Uruguai, no fim de semana. Desaparecido desde a última quinta-feira (20), o menino Felipe Romero foi encontrado morto junto ao técnico de futebol, Fernando Sierra, 32 anos, no sábado (22). Chegou-se à conclusão de que o treinador é o responsável pela morte e pelo sequestro do menino.


O corpo do garoto e do técnico foram achados a 150 km de Montevideo. Segundo familiares, Felipe e Sierra eram amigos e tinham uma relação muito próxima.

A proximidade dos dois era tanta, que despertou a preocupação da psicóloga que cuidava do menino. Assim, foi recomendado pela profissional à mãe do garoto que proibisse o contato entre a criança e o homem, contou a tia de Felipe, Maíra del Carmen Romero, em entrevista.

Porém, mesmo com a dificuldade e a proibição em ver o menino, Sierra foi até a escola buscá-lo, na quinta-feira, dia do sequestro. Ninguém da instituição achou estranho, pois ele costumava buscar o menino na escola.

Esse foi o último dia que Felipe foi visto, até que seu corpo fosse encontrado no sábado junto ao do técnico. De acordo com o El Pais do Uruguai, Sierra disparou uma vez no menino e logo depois se suicidou.

Pai e filho

Segundo a publicação uruguaia, Sierra e Felipe se conheceram há dois anos, quando o menino pertencia a equipe comandada pelo treinador. Atualmente, o menino não era mais dirigido pelo técnico, que era responsável pelo time formado por garotos de até 9 anos de idade.

O relacionamento dos dois, entretanto, ainda permanecia forte, pois Fernando havia se tornado a figura paterna de Felipe – filho biológico de um importante ex-jogador uruguaio, Luis Romero. ''Ele levava e trazia Felipe dos treinos, das partidas, andavam juntos para todos os lados, ele o tratava como se fosse seu filho, e Felipe o tratava como se fosse seu pai. Por mais de uma vez, Felipe o chamou de papai'', diz Myriam Sosa, dirigente do Club Defensor Maldonado, time em que o menino jogava e que Sierra treinava pela divisão infantil.

Foi justamente essa proximidade que chamou a atenção da psicóloga de Felipe. Depois de algumas viagens realizadas entre o garoto e o treinador, a profissional notou que algo não estava bem com o garoto e pediu que a mãe não o deixasse só com Sierra. ''Ela notou sinais de que algo não estava bem com Felipe'', revelou a mãe.

Com a proibição, Sierra chegou a tentar uma reaproximação com o garoto, mas a mãe reforçou a recomendação feita pela psicóloga. Foi, então, que Sierra ameaçou tomar medidas drásticas caso fosse impedido de ver o menino. ''Se não posso mais ver o Felipe, eu me mato'', disse o técnico a mãe de Felipe. Após a conversa entre os dois, Sierra buscou o garoto na quinta-feira e ele nunca mais foi visto por familiares e amigos.


Repercussão

O caso comoveu o Uruguai e mobilizou a população do país e da pequena cidade de Maldonado – onde viviam o Felipe e Sierra – com campanhas de buscas ao garoto. ''Aqui, todo mundo se conhece. Nunca poderíamos imaginar uma situação assim'', disse Maíra.

A juíza da cidade, Adriana Morosini, confirmou no domingo (23), que será apurado se a escola tinha ou não permissão para liberar a saída de Felipe com Sierra. Serão escutadas a diretora da escola, professores, mãe, pai e a psicóloga que deu as recomendações a família do garoto.

Mais lidas da semana 🔥

Homem que agrediu a própria mãe idosa é preso após repercussão de vídeos

Dono de bicicleta condena tatuagem em testa de adolescente: 'Não consegui dormir'

Escapei de um marido violento, mas vi minha filha morrer nas mãos do goleiro Bruno

Roger Moore, ator de '007', morre aos 89 anos

Netflix vai tirar do catálogo séries famosas da TV; veja quais

Internada aos 5 meses de gravidez, Eliana tem avaliação diária

Coreia do Norte exibe mísseis e aumenta rumor de ataque nuclear

'13 Reasons Why': 2ª temporada vai mostrar outros pontos de vista

O ''jogo da baleia azul'' e a tragédia de Maria de Fátima

Fátima Bernardes quebra silêncio sobre o contrato com a Friboi