Supostamente marido enche o carro da esposa com concreto após ela mudar de sobrenome


Supostamente um marido encheu o carro da esposa com cimento após descobrir que ela mudou de sobrenome para participar da promoção de um supermercado e ganhar cerca de R$ 2,7 mil por mês. O caso aconteceu em São Petersburgo, na Rússia.

De acordo com informações do Metro, o supermercado prometeu pagar mesada aos clientes que trocassem legalmente seus sobrenomes para Veniy, que é o nome do local.

Disposta a receber a quantia, a mulher fez a troca, mas acabou sendo alvo da vingança do marido, que decidiu descontar a raiva no carro por saber o quanto ela gostava do veículo.

Em imagens que circulam na internet (vídeo disponível no fim da matéria), o carro aparece coberto de cimento até as janelas.


Marketing?

Há, no entanto, internautas que duvidam ser essa a versão oficial sobre o fato. Afinal, quem é o casal que protagonizou a situação? As informações ainda são muito superficiais, o que fez muita gente pensar que se tratava de uma ação de marketing da própria rede de mercados.

A julgar pelo contexto midiático, ainda mais se tratando da Rússia, é bem possível que tudo não passe mesmo de uma jogada de marketing. Mas que o carro foi concretado, isso é fato.


Assista o vídeo abaixo:




Confira também: Casal é apreendido por perturbar a ordem em voo: "bêbados e abusivos"

Mais lidas da semana 🔥

Abacaxi deixado em exposição engana público e é confundido com obra de arte

Avó faz manta para neto mas detalhe 'indecente' chama atenção

Homem que agrediu a própria mãe idosa é preso após repercussão de vídeos

WhatsApp lança ótima atualização para quem ama enviar áudios

Prefeito de vilarejo italiano oferece € 2 mil para que pessoas se mudem para o local

Tom Cruise indomável: ator confirma sequência de 'Top Gun'

Guia prático do chá: o que você precisa saber sobre a bebida

Modelo é condenada por selfie que expõe idosa nua em vestiário

Pippa Middleton se casa e sobrinhos participam de cerimônia

Coreia do Norte diz estar pronta para ir à guerra se Trump quiser