Estudante é punido pela escola após raspar cabeça para ação de caridade

O estudante Taylor Jones, de 15 anos, foi isolado de outros alunos após raspar a cabeça para arrecadar fundos para uma instituição que dá suporte a pessoas com câncer.


O diretor do Launceston College, Bryan Maywood, afirmou, em entrevista ao britânico "Cornwall Live", que estava ciente da ideia do menino, mas que o corte de cabelo feito por ele "não estava dentro das expectativas da escola".

Punido, Taylor foi orientado a ficar isolado na escola até que seu cabelo chegue a um "comprimento aceitável". "Eles me colocaram na sala de exclusão por ter feito um 'corte de cabelo extremo'", conta o aluno. "Eles me disseram que eu deveria ficar ali até crescer de volta".

Muito insatisfeito, o pai do menino, Nick Jones, classificou a ação como "ditatorial". "Ele tem quase 16 anos, então tentar ditar qual deve ser o comprimento do cabelo dele é um pouco ridículo", defende. "Eles estão basicamente dizendo que ser careca não é um estilo aceitável".


A decisão da escola também foi muito criticada nas redes sociais, principalmente porque o adolescente foi motivado pela vontade de ajudar pessoas. "Absolutamente ridículo. Ele fez isso por uma boa causa. Como um corte de cabelo irá afetar a aprendizagem?", comentou um internauta.

Até agora, a campanha de Taylor arrecadou 769 libras (o equivalente a 3 mil reais) para a caridade.


* Reportagem com informações do [Cornwall Live]


Mais lidas da semana 🔥

Homem que agrediu a própria mãe idosa é preso após repercussão de vídeos

Dono de bicicleta condena tatuagem em testa de adolescente: 'Não consegui dormir'

Coreia do Norte exibe mísseis e aumenta rumor de ataque nuclear

Escapei de um marido violento, mas vi minha filha morrer nas mãos do goleiro Bruno

Roger Moore, ator de '007', morre aos 89 anos

'13 Reasons Why': 2ª temporada vai mostrar outros pontos de vista

Fátima Bernardes quebra silêncio sobre o contrato com a Friboi

Ministério da Saúde não recomenda polvos de crochê para bebês

''Eu sou a pedra no sapato do Bruno'', diz mãe de Eliza Samúdio

O ''jogo da baleia azul'' e a tragédia de Maria de Fátima