Cultura apresenta; Ella Fitzgerald, a 1ª Dama da Canção

Ella Fitzgerald (1917-1996) tinha a mesma idade que o primeiro disco de jazz. Também estaria completando cem anos. Sua ascensão foi rápida: já em 1937 os leitores da revista Down Beat a elegeram como sua cantora favorita. Na década de cinquenta, o empresário Norman Granz a convenceu a deixá-lo conduzir a sua carreira, até então administrada por seu representante, Mo Gale, e o produtor de discos Milt Gabler. Em 1955, ela deixou a Decca, companhia fonográfica na qual passara vinte anos e com a qual gravava desde que começou como cantora da orquestra de Chick Webb com apenas 17 anos. Ela ainda não sabia, mas a chamada Primeira Dama do Swing estava prestes a se tornar a Primeira Dama da Canção.


Seus últimos discos não estavam vendendo bem e Ella se sentia frustrada. Em janeiro de 1956, levada por Granz, assinou contrato com a Verve. O primeiro projeto com o novo selo foi um LP duplo com canções de Cole Porter. Somente no primeiro mês, foram vendidos 100.000 cópias. Entre fevereiro de 1956 – Elvis Presley acabara de chegar ao topo das listas de mais vendidos – e julho de 1959, Fitzgerald gravou oito discos com alguns dos melhores títulos do grande cancioneiro norte-americano: aquele que floresceu desde os anos vinte até meados do século passado e no qual Bob Dylan cavava o seu caminho.


Os discos saíram entre 56 e 64, na seguinte ordem: Sings the Cole Porter Songbook, Sings the Rodgers & Hart Songbook, Sings the Duke Ellington Songbook, Sings the Irving Berlin Songbook, Sings the George and Ira Gershwin Songbook, Sings the Harold Arlen Songbook, Sings the Jerome Kern Songbook y Sings the Johnny Mercer Songbook. Atribui-se a Ira Gershwin o seguinte comentário: ''Eu não sabia como eram boas as nossas canções até que ouvi Ella cantá-las''. Um último disco seria acrescentado à série em 1981, lançado pela Pablo Records e dedicado a um compositor da América do Sul: Ella abraça Jobim (Fitzgerald Sings the Jobim Songbook).

Depois de sua morte, Frank Rich escreveu no The New York Times que, com seus songbooks, a cantora ''realizou uma operação cultural tão extraordinária como a integração contemporânea de Elvis entre a alma branca e a afro-americana. Era uma mulher negra popularizando canções urbanas muitas vezes compostas por imigrantes judeus para um público predominantemente de brancos cristãos''.


Ella não tinha muita consciência daquilo que sua obra significou. E nunca deu margem a que o público pudesse achar que a letra de alguma das canções que interpretava se referisse à sua vida privada, a respeito da qual evitava falar. Becoming Ella: The Jazz Genius Who Transformed American Song, biografia que está sendo escrita pela professora Judith Tick e que deverá ser lançada em 2018, dará uma atenção especial para todo o contexto cultural em que viveu a cantora. A mulher que cantava com a espontaneidade inocente e alegre de quem provavelmente jamais deixou de ser uma criança. A mesma que dizia que gostaria de ter sido bonita e que afirmava que a única coisa melhor do que cantar é cantar ainda mais.




Mais lidas da semana 🔥

Ela se vestiu de homem para viajar livremente no século 19

12 séries que são verdadeiras joias escondidas na Netflix

Sisu abre inscrições para o 2º semestre

Uma noite de 'MasterChef' com JB, o crítico mais crítico da gastronomia

Bronquiolite: 10 perguntas e respostas sobre a doença

Filme ''Anastasia'' se torna musical na Broadway

25 fatos curiosos sobre Psicologia

Com gravidez de risco, Eliana se afasta da TV: 'Dúvidas e medo'

Mãe faz alerta após filha ter infecção causada por urina de cachorro na praia

Dono de bicicleta condena tatuagem em testa de adolescente: 'Não consegui dormir'