A surpreendente história de vida da atriz que viveu a Bruxa do 71

Se você cresceu no Brasil – ou em qualquer país da América Latina – certamente teve sua infância marcada por ''Chaves e companhia''. Basicamente todos os personagens da série viraram ícones atemporais, mas a história de seus atores geralmente é pouco conhecida. Mesmo assim, nunca é tarde para descobrir histórias inspiradoras, como a da atriz Angelines Fernández, a Bruxa do 71.


Ao contrário do resto do elenco de ''Chaves'', Angelines não era mexicana. Ela nasceu em Madrid, na Espanha, em 9 de julho de 1922. Em 1947, com apenas 25 anos, a atriz precisou abandonar o país natal, pois era guerrilheira contra a ditadura de Francisco Franco.

Perseguida pelos franquistas, sua vida corria perigo na Espanha e ela resolveu fugir para o México. Lá chegando, mais um baque: Angelines não conseguiu exílio e precisou partir para Cuba.


''Tinha um caráter forte. Para ela não haviam meias tintas, era branco ou preto, não podia ser cinza. Era uma mulher que levava a sério seus valores e às vezes as pessoas não lidavam bem com isso'', declarou sua filha Paloma Fernández, em 1999. Ela conta que a vida da mãe em Havana não foi nada fácil, especialmente no início.

O talento de Angelines como atriz foi o que fez com que sua volta ao México fosse possível. Não há informações precisas sobre a época exata em que morou em Cuba, mas sabe-se que ela foi uma das pioneiras do cinema mexicano em meados dos anos 1950. A partir dessa época, chegou a participar de 14 filmes no país, além de diversas novelas.

Seu primeiro trabalho cinematográfico foi no dramalhão mexicano ''Maternidad Imposible'', em 1955. Em 1964, atuou ao lado do lendário Fortino Mario Alfonso Moreno Reyes (artisticamente conhecido como Cantinflas), o que fez com que alcançasse prestígio como atriz.




Mesmo brilhando em papéis dramáticos, o amigo Ramón Valdés (ele mesmo, o Seu Madruga) viu nela o talento para a comédia. Mexendo alguns pauzinhos, a Bruxa do 71 acabou virando um personagem extra na vila do ''Chaves do 8'' e o sucesso foi imenso.

Apesar de trabalhos consideráveis no cinema e TV, foi a Dona Clotilde que transformou Angelines num ícone de fato, a partir de 1972. Segundo a filha, Paloma, a atriz amava fazer parte do programa, mas chateava-se por causar medo nas crianças quando era reconhecida na rua.

O passado sofrido da atriz, fez com que sua vida fosse marcada pela depressão, que se agravou mais ainda com a morte de Ramón Valdés (em 1988), pois ele acabou virando seu melhor amigo ao longo de ''Chaves''. Paloma conta que ela também passou a vida sentindo muita falta de sua família na Espanha. Mesmo assim, jamais voltou a viver no país, nem quando a ditadura acabou por lá, nem quando se aposentou das telas.


Faleceu em 25 de março de 1994, vítima de um câncer no pulmão, em decorrência do cigarro. Curiosamente, ela tinha 71 anos de idade na época.


* O vídeo disponível abaixo contém conteúdo relacionado com a publicação




Confira também: Ela se vestiu de homem para viajar livremente no século 19

Mais lidas da semana 🔥

Homem que agrediu a própria mãe idosa é preso após repercussão de vídeos

Dono de bicicleta condena tatuagem em testa de adolescente: 'Não consegui dormir'

Coreia do Norte exibe mísseis e aumenta rumor de ataque nuclear

Escapei de um marido violento, mas vi minha filha morrer nas mãos do goleiro Bruno

Roger Moore, ator de '007', morre aos 89 anos

'13 Reasons Why': 2ª temporada vai mostrar outros pontos de vista

Fátima Bernardes quebra silêncio sobre o contrato com a Friboi

Ministério da Saúde não recomenda polvos de crochê para bebês

''Eu sou a pedra no sapato do Bruno'', diz mãe de Eliza Samúdio

O ''jogo da baleia azul'' e a tragédia de Maria de Fátima